Restaurante A Maria certificado pelo Turismo do Alentejo

certificado1

Diário do Sul, 19 Setembro 2013

Turismo do Alentejo entregou certificados a dez restaurantes da região

“No futuro, a certificação e o selo de qualidade são decisivos no contexto da oferta turística, daí que constituam apostas prioritárias na estratégia de afirmação do destino traçada pela Turismo do Alentejo. A entrega de certificação a dez restaurantes da região, integra-se dentro deste objectivo.

Os espaços de restauração foram devidamente aprovados no processo de certificação que integra o projecto “Alentejo Bom Gosto” que pretende valorizar o receituário e os produtos do Alentejo, garantir a qualidade do serviço dos restaurantes e prestar informação de excelência aos turistas sobre a gastronomia e produtos endogénos.

De acordo com o presidente da Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, a certificação dos restaurantes “é o primeiro acto de reconhecimento da cadeia de valor do turismo que é o grande objectivo para 2020.” E prossegiu: “Num momento em que a informação é, cada vez mais, global, mais massificada, aquilo que pode ser o diferencial é a certificação e o selo de qualidade”.
O mesmo dirigente lembrou, contudo, que este processo “não foi simples porque implicou um trabalho de presença contínua em cada um dos restaurantes pela empresa Certis, que é uma empresa alentejana de certificação a quem pedimos para fazer esta tarefa”.

A partir de agora, estes restaurantes têm o diploma “que podem afixar para que os clientes possam ver” e vão ter uma placa específica no exterior. António Ceia da Silva anunciou ainda que vão integrar também um guia online específico de oferta de restauração com certificação que “irá ser actualizado, à medida que novos restaurantes vão sendo certificados”. E acrescentou: “Hoje, temos dez, mas o nosso objectivo, é que, daqui a um ano tenhamos cem”.

Proteção do produtos endógenos de qualidade

Os espaços de restauração certificados cumprem um referencial que, previamente definido, apresenta vários parametros qualitativos que variam entre a confecção de receitas genuinamente alentejanas ou a utilização de ingredientes exclusivamente produzidos na nossa região.

Factores como a decoração, o ambiente ou o serviço, assim como a apresentação de uma ementa constítuida maioritariamente, por pratos tipicamente alentejanos ou uma carta de vinhos, entre outros, são igualemte decisivos no processo de certificação.

Maria da Piedade, proprietária do restaurante “A Maria”, no Alandroal disse que “decidi certificar o restaurante porque acho que é uma vantagem para o Alandroal. Embora seja já conhecido a nível nacional, e não só, penso que temos que acompanhar os tempos e mostrar os produtos certificados para que os clientes saibam dar valor à qualidade”, frisou.

Recorde-se que o projecto “Alentejo Bom Gosto”, financiado pela Inalentejo, comtempla a Carta Gastronómica do Alentejo, lançada em junho, a certificação dos restaurantes da região e criação de roteiros eno-gastronómicos.