Senhora Dona Maria

Senhora Dona Maria

(…) Como em todas as terras alentejanas, a brancura das casas, aqui e ali avivadas por faixas e rodapés ocres ou azuis, e o asseio são uma constante. Na praça existe uma fonte monumental, com seis bicas e brasão, que uma cantiga refere: “Bonita cidade é Elvas, / Que tem Badajoz defronte, / Mais bonita é Landroal, / Que tem seis bicas na fonte.”
A dois passos, ocupando os antigos celeiros da casa apalaçada anexa, está o Restaurante A Maria. As comidas estão organizadas por entradas, e sopas. Seguem-se o que chamam Pratos do Dia, o que pressupõe variações, embora não creia que possam ser significativas. Assim temos de peixes: bacalhau à alandroalense; bacalhau dourado; chocos para grelhar; robalos pra grelhar e sopa de cação. Claro que o forte teriam que ser as carnes: cozido de grão à alentejana; ensopado de borrego; carne recheada à alentejana; caldeirada de cabrito; borrego assado no forno de lenha; fricassé de galinha do campo; chispe assado no forno; pezinhos de coentrada; cabeça de porco com feijão branco; dobrada com feijão branco; mão de vaca com grão; migas â alentejana; lombo de porco no forno e entrecosto frito com pimentão. Para qualquer paladar mais merencório, ou víscera debilitada, ainda havia carne de lombo de vitela para grelhar. Ora aqui está um rol de alto lá com ele.
A lista de vinhos é eminentemente regional. Não há bom vinho alentejano que aqui falte. E quando se justifica são decantados e têm direito a copo especial.
O serviço é familiar, eficaz e de simpatia calorosa.
Está-se bem na sala de refeiçoar em estilo rústico, límpida, clara e esmeradamente arranjada. A D. Maria comanda a cozinha e seu marido Cândido Monteiro encarrega-se das mesas com competência e jovialidade. Das comidas e bebidas já se disse. Falta promover “A Maria” a Senhora Dona Maria e apregoá-la como referência gastronómica apetecível.

Tendências À Mesa, por José Quitério